07 junho 2010

Onde estou eu?

Hoje é dia de derrota
Perdemos todas as crias
E os concursos e as festas
E as refeições divinas

Ouço o tom da desilusão
Que de ilusão me fez pensar
Que luz e chão estão em par
E eu sem mim: som de agonia

Mais sombra que ver a própria morte
É ver na vida que nada vive
Não ter um sonho que não se corte
Ser confundido
Ser devorado
Ser destruído
Ser inexistido
Humilhação

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário